Cinco curiosidades científicas sobre as árvores de Natal


"Todo ano, milhões de pessoas se reúnem em volta de árvores de Natal, verdadeiras ou artificiais, para comemorar as festas.

Aqui estão alguns dos segredos das árvores de Natal e suas obstinadas vidas.

1. Árvores de Natal podem se 'transformar' em vidro

Coníferas se preparam para o inverno seguindo as mudanças nas luzes ao longo do ano
Por favor, não tente repetir esta experiência em casa: mergulhe um ramo de espruce siberiano (Picea obovata) ou de pinheiro-silvestre (Pinus sylvestris) em um tonel de nitrogênio líquido, a uma temperatura de -196ºC. Se você tiver pré-resfriado a planta a mais ou menos -20ºC, vai ver que ela sobreviverá.

Essa incrível tolerância ao frio é bastante útil para as coníferas que vivem nas florestas boreais da Sibéria, onde, no inverno, os termômetros chegam a marcar -60ºC. O mecanismo que possibilita isso só é conhecido parcialmente, segundo Richard Strimbeck, fisiologista botânico da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia.

A explicação mais provável é de que o tecido da árvore se transforme em vidro. Nesse sentido, o termo "vidro" significa um sólido sem uma estrutura cristalina – assim como uma vidraça, mas feito de moléculas de açúcares, proteínas e água, em vez de sílica.

"Quando as moléculas estão nesse estado 'vítreo', elas não podem se movimentar, o que quer dizer que elas não podem reagir", explica Strimbeck. Ou seja, quando essas árvores são previamente congeladas, sua atividade metabólica cai para zero e suas células não são danificadas pelo frio extremo. Quando o inverno se aproxima, as árvores também retiram água de suas células e a transportam para um tecido mais interno, para que os cristais de gelo não façam a parede das células estourar.

Esse processo de preparação para o frio é chamado de "endurecimento", e a árvore parece determinar quando deve começar a se preparar seguindo as mudanças nas luzes e nas temperaturas durante as estações do ano. "Mas o mecanismo preciso ainda é um mistério", diz Strimbeck.

2. Árvores de Natal servem de casa para tarântulas

A 'Microhexura montivaga' chega a 25 mm e precisa da proteção dos abetos
Do outro lado do mundo, em uma latitude bem diferente da Sibéria, as árvores de Natal servem de abrigo para tarântulas. Nas montanhas do Apalache, localizadas no leste do Tennessee e da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, os pinheirais que ficam a mais de 1.645 metros de altitude abrigam uma das menores espécies de tarântulas do mundo, a Microhexura montivaga.

Com apenas 25 milímetros de comprimento, essas aranhas amarronzadas estão em risco de extinção e são difíceis de encontrar. Elas vivem em poucos cumes e, mesmo ali, em comunidades minúsculas. Segundo o Serviço de Pesca e Vida Silvestre dos Estados Unidos, em uma montanha da Carolina do Norte, há apenas uma colônia em um rochedo e outra em uma pedra próxima.

Os abetos da espécie Abies fraseri e os espruces-vermelhos (Picea rubens) oferecem o abrigo necessário para manter o habitat dessas minúsculas tarântulas fresco e úmido. Muito sol faria os animais secarem, muita água acabaria com suas teias, tecidas nos pequenos espaços entre as pedras e o tapete de musgo que cobre o solo.

3. Árvores de Natal podem crescer tanto quanto... árvores

Coníferas podem crescer mais de 100 metros na natureza
Muitas das árvores de Natal que enfeitam nossas casas têm no máximo uns 10 anos de idade. Mas, com tempo e condições adequadas, essas plantas podem se tornar verdadeiros arranha-céus.

O maior abeto de Douglas (Pseudotsuga menziesii) do mundo tem 99,7 metros de altura e habita uma floresta no condado de Coos, no Oregon. Trata-se também da conífera não-sequoia mais alta do mundo. Já a sequoia, que também é uma planta perene, é a maior árvore conhecida. E a mais alta delas, batizada de "Hyperion" e plantada no Parque Estadual e Nacional das Sequoias, na Califórnia, chega a 115,55 metros.

Segundo um estudo publicado na revista científica Nature, em 2004, nenhuma árvore deve ultrapassar essa marca, já que, a partir dos 122 metros, os efeitos da gravidade dificultam o transporte de água até a copa da árvore.

4. Árvores de Natal criam seu próprio ecossistem

Líquen só cresce em árvores antigas e serve de alimento para roedores no inverno
"Subir ao topo de uma árvore é como visitar um novo bioma", afirma o americano Brian French, escalador de árvores profissional e co-fundador da ONG Ascending the Giants, dedicada a medir e preservar algumas das maiores e mais antigas árvores do mundo.

French e seu sócio, Will Koomjian, sobem frequentemente ao topo das maiores coníferas da Costa Oeste americana, inclusive na sequoia considerada como a maior do mundo.

Segundo eles, a vida nessas árvores é estratificada. Em algumas das espécimes mais altas, os galhos só surgem a partir de 30 a 60 metros do chão, fazendo com que eles precisem de ganchos para instalar cordas de alpinismo. Na base da árvore, o solo é úmido e esponjoso, mas na copa o vento praticamente constante deixa tudo seco e frio.

O que não quer dizer sem vida: os troncos e os galhos de plantas perenes gigantes servem de abrigo para aves como a coruja-pintada, uma espécie ameaçada, e para mamíferos como esquilos-voadores e Arborimus longicaudus (um roedor nativo dos Estados Unidos), que podem passar gerações em uma árvore sem nunca tocar o chão.

O líquen que só cresce em árvores antigas serve de alimento para esses roedores no inverno. Em 2008, os exploradores encontraram até duas salamandras morando no buraco de um tronco de abeto de Douglas, a 76 metros do solo.
Árvores menores e mais jovens não substituem esses habitats. "As plantas mais antigas e altas levaram centenas de anos para formar esses ambientes", diz French.

5. Árvores de Natal poderão sofrer com as mudanças climáticas

O aquecimento global pode prejudicar o crescimento e o ciclo de sobrevivência das coníferas
As árvores de Natal são espécies que se adaptam bem e são capazes de crescer bem fora de seu habitat natural. O abeto Abies fraseri, nativo dos mais altos picos dos Apalaches, nos Estados Unidos, se tornou uma das espécies mais populares no Natal. Ele agora é cultivado por silvicultores do outro lado do país e recentemente foi introduzido na Grã-Bretanha.

No entanto, cientistas se preocupam sobre o que as mudanças climáticas poderão provocar nas plantas perenes nativas. "Se as temperaturas de inverno não forem baixas o suficiente, algumas espécies podem não receber a mensagem correta para 'despertar' na primavera", diz Strimbeck.

As temperaturas também podem influenciar no crescimento dessas plantas, segundo estudiosos da Appalachian State University, na Carolina do Norte, liderados por Howard Neufeld. Muito calor também pode prejudicar esse tipo de árvore porque elas não são feitas para altas temperaturas. Segundo Neufeld, a fotossíntese se desacelera a partir de -2,8ºC, enquanto a perda de água pela respiração fica mais rápida.

A pesquisa dessa equipe é importante também para a compreensão da fisiologia dessas amadas árvores, e para salvar o Natal, ao ajudar silvicultores a se prepararem para futuras oscilações climáticas."
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: