A triste história da tartaruga deformada pela poluição

Plástico jogado no chão acabou deformando completamente a tartaruga Peanut
"O bichinho ainda não tinha nome. Naquela época, era uma tartaruga comum que vivia em Missouri (EUA) e, como animal semiaquático, passeava pela margem de um rio.

Da BBC

Tudo mudou quando a tartaruga acabou envolta em uma embalagem plástica, do tipo usado em latas de cerveja e refrigerante, jogada no chão.

O animal ficou preso ao plástico e, com o passar dos anos, teve seu corpo moldado por ele. Como se tivesse um espartilho preso ao corpo, ela se viu deformada ao crescer enquanto tentava se adaptar ao plástico.

Vulnerável

Assim, aos nove anos, seu corpo ficou com forma de ampulheta, parecendo um amendoim com a casca pela metade.

As tartarugas não costumam ser muito rápidas, mas aquelas condições faziam com que ela ficasse ainda mais vulnerável aos predadores.

Por sorte, alguém a encontrou e a levou para o Zoológico de San Luis, uma cidade portuária construída ao longo da costa do rio Mississipi. Era 1993.

Os veterinários a batizaram de Peanut (amendoim) e finalmente retiraram o pedaço de plástico dela.

Mas o dano já estava feito. Peanut nunca voltaria a ter a forma de uma tartaruga comum. Diante disso, doaram-na para o Departamento de Convervação de Missouri para que tomassem conta dela.

"Se isso tivesse ocorrido com uma lontra, o animal provavelmente havia morrido por uma infecção", diz o departamento. "Mas como Peanut tem esse casco que protege seu corpo, pôde sobreviver, ainda que alguns de seus órgãos (como os pulmões) não funcionem corretamente."

Lixo pode ser muito prejudicial à vida silvestre

Hoje, aos 30 anos, a tartaruga segue vivendo em um aquário, longe de ameaças que encontraria em seu habitat natural.

Além disso, a foto de Peanut foi usada para divulgar a campanha "No more Trash" (Chega de lixo, em português), lançada em conjunto pelos departamentos de Conservação e Transporte de Missouri.

Foram meses de trabalho dos voluntários – além das campanhas para limpar rios, eles fizeram sessões informativas para conscientizar a população para que produza menos lixo, recicle mais e não jogue nada em lugares indevidos.

Lixo

O Departamento de Conservação explica que, assim como o plástico, outros tipos de lixo podem ser muito prejudiciais à fauna local.

"Coisas que têm furos ou formato de arco têm grande potencial de causar problemas para os animais", diz o site do departamento.

Muitos animais não são capazes de fazer distinção entre comida e lixo
"E quando ele (o animal) fica encurralado, entra em pânico, o que piora as coisas. Os animais não têm a mesma esperteza dos humanos, então para eles é bem mais difícil se livrar dos objetos."

De acordo com o departamento, fios também são perigosos para muitas espécies aquáticas que não conseguem vê-los. "Os que se enrolam não sobrevivem – ou morrem de fome ou são devorados por predadores."

Pequenos pedaços de plástico também são uma ameaça à vida silvestre.

"Os animais normalmente não conseguem diferenciar lixo de comida, então eles comem essas coisas e se asfixiam ou terminam com o estômago cheio de plástico e morrem de fome."

Para que isso não aconteça, o departamento recomenda jogar lixo sempre no lixo, manter as ruas e os rios limpos e, no caso dos plásticos que carregam latinhas, o melhor a fazer é cortar os anéis para evitar que qualquer animal fique preso neles."
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: