Medicina tradicional asiática incentiva caça ilegal de onças na Amazônia

Onças do do Parque Nacional Madidi, na Bolívia, estão sendo alvo de caçadores e contrabandistas
Caçadores ilegais estão abatendo onças na região da Amazônia boliviana para traficar suas presas - usadas em supostos tratamentos de medicina tradicional asiática ou como amuletos. Contrabandistas pagam a caçadores até US$ 100 (R$ 340) por dente.

Da BBC -

Autoridades suspeitam que o crime também ocorra em mais países sul-americanos, inclusive no Brasil.

Na Bolívia foram apreendidos 262 dentes entre 2014 e 2016. Para autoridades locais, isso significa que ao menos 65 felinos foram abatidos ilegalmente no período - pois cada um possui quatro presas grandes. Ativistas da ONG boliviana Fobomade dizem que o número pode ser maior.

O governo boliviano diz que o fenômeno não é novidade na Região Amazônica e que o grande número de casos registrados no país seria fruto de campanhas nacionais para prender traficantes de animais e conscientizar a população.

Embora não tenha havido apreensões desse tipo no Brasil até agora, o Ibama diz suspeitar que caçadores e contrabandistas ligados ao tráfico de dentes de onça para o mercado asiático operem no país. No Suriname, ao menos dois casos suspeitos foram registrados.

Anúncios nas rádios

Presas de onça são compradas por US$ 100 por contrabandistas na Bolívia, segundo autoridades locais
Na Bolívia, as onças são chamadas de jaguares, na tradução do espanhol.
Elas não são caçadas diretamente pelos contrabandistas. Segundo a DGBAP (Direção Geral de Biodiversidade e Áreas Protegidas da Bolívia) e a Fobomade, indígenas e camponeses que moram na região da floresta são aliciados para abater os animais.

Por vezes, para chegar a esses caçadores locais, contrabandistas pagam por anúncios em emissoras de rádio de cidades pequenas, localizadas próximo à floresta amazônica. Os anúncios indicam um endereço onde eles podem ser vendidos.

"Os contrabandistas fazem isso por um dia e depois mudam de domicílio, então fazem (o anúncio) em outro lugar e mudam de domicílio de novo. É uma máfia", diz à BBC Brasil Teresa Peres, chefe da DGBAP.

"O que mais se detectou é que os compradores são de procedência asiática", disse ela.

Segundo ela, em uma das operações mais bem sucedidas do órgão, agentes da DGBAP e policiais se disfarçam de vendedores de dentes e se apresentam em um local indicado pela propaganda do rádio. Isso ocorreu em maio deste ano em Rurrenabaque, cidade próxima ao Parque Nacional de Madidi, uma das maiores reservas florestais da Bolívia.

Dois suspeitos de cidadania chinesa foram detidos com diversos dentes de onça pelos agentes disfarçados.

Esse tipo de ação policial continua ocorrendo, assim como fiscalizações nas florestas, segundo Peres. Mas uma boa parte das apreensões ocorre durante inspeções de pacotes nos correios da Bolívia.

Isso porque, para tentar evitar prisões em flagrante, os criminosos enviam os dentes e ossos para outras cidades ou países pelo correio.

Afrodisíaco

Autoridades e ativistas suspeitam que onças estejam sendo abatidas na América do Sul em um processo similar ao que ocorreu com tigres no sudeste da Ásia.
O uso de partes de tigres para tratamento medicinal foi muito comum no passado, mas a prática foi banida pela maioria das associações e federações de medicina tradicional da Ásia na década de 1990. Embora a medicina tradicional chinesa seja um dos ramos mais conhecidos no ocidente, quase todas as nações do leste e sudeste do continente possuem suas próprias correntes.

De acordo com Reginaldo Filho, diretor da Ebramec (Faculdade Brasileira de Medicina Chinesa), ossos e dentes de grandes felinos eram geralmente usados na medicina tradicional chinesa para fortalecer o corpo humano e tratar dores. O órgão sexual do animal era usado no preparo de fórmulas ligadas à fertilidade.
"As pessoas dizem afrodisíaco, mas a medicina chinesa fala em fortalecimento.

Você vai encontrar esses ingredientes em livros históricos de medicina, mas eles não são mais usados. Hoje combinamos dois ou três ingredientes para chegar a um resultado similar", disse ele.

"Se alguns ainda usam partes de tigres, acredito que isso esteja mais relacionado a esoterismo ou misticismo local, isso não é medicina", afirmou.

Preocupação

Autoridade do Ibama diz que legislação que pune comércio ilegal de animais silvestres é branda
Autoridades brasileiras dizem estar preocupadas com o assunto.

"Por causa dessa superstição infundada já eliminaram a maior parte da população de tigres do sudeste da Ásia. Agora (traficantes de animais) estão se voltando para felinos de outros países", afirmou à BBC Brasil o chefe das operações de fiscalização do Ibama, Roberto Cabral.

Mas estatísticas que liguem o abate de onças a práticas supostamente medicinais são escassas na América do Sul.

"Nós não pegamos um caso concreto no Brasil, mas existe uma grande possibilidade de que isso esteja ocorrendo", afirmou Cabral.

A ONG internacional Traffic - que investiga o tráfico ilegal de animais no mundo - afirmou já ter coletado indícios de que onças poderiam estar sendo mortas com esse propósito na Guiana e no Suriname. Em 2015, a entidade diz ter monitorado dois casos concretos no Suriname - e em ao menos um, cidadãos chineses foram investigados pela polícia local.

"Obviamente a existência de um comércio aparentemente irregular de partes de onças na Amazônia Sulamericana é uma causa de preocupação e precisa de uma investigação para determinar sua escala e o impacto que pode estar tendo nas populações de onças na região", afirmou à BBC Brasil Richard Thomas, um dos porta-vozes da organização.

Teresa Peres, do órgão ambiental do governo boliviano, afirmou que essa prática ocorre há muito tempo na Amazônia.

"Desde o momento em que se faz um controle rigoroso, a estatística sobe. Esse tema de tráfico não é recente", disse.

Também não é possível saber extamente se todos os dentes e ossos de onças apreendidos seriam usados em praticas medicinais. Isso porque garras, presas e peles também são usados como amuletos e itens de decoração.

"O Estado Plurinacional da Bolívia está colocando todos os esforços e tudo o que está a seu alcance para preservar o ecossistema", disse Peres.

O ativista Daniel Manzaneda, da Fobomade, afirmou que o aumento da procura por dentes de onça pode estar relacionado à entrada recente de cidadãos de países asiáticos na Bolívia - relacionada a grandes investimentos chineses na região.

Peres disse porém que não haveria dados concretos que permitam fazer essa relação.

Cabeças de onça

A maior apreensão de onças abatidas no Brasil ocorreu em setembro, na cidade de Curionópolis, no Pará
O Brasil registrou 42 apreensões de partes de onças nos últimos cinco anos, segundo o Ibama.

Segundo Cabral, a maior parte dos casos está relacionada à expansão agropecuária no Brasil, que tem causado a fragmentação do habitat natural das onças.

No norte do país, as onças pintadas acabam abatendo animais de rebanhos bovinos em criações extensivas. "Os fazendeiros não toleram perder seus animais para as onças", afirmou. Eles contratam então caçadores para abatê-las.

Também é comum o abate por madeireiros que operam na selva, segundo o delegado Marcos Lemos, da Delegacia de Combate a Crimes Contra a Fauna e Flora do Pará.

"Quando encontramos acampamentos ilegais (de madeireiros) há animais abatidos de todos os tipos. As onças são mortas por causa do couro, que é vendido a colecionadores", disse.

Mas a maior apreensão de todos os tempos ocorreu no último mês de agosto, em Curionópolis, cidade próxima da selva amazônica no Pará. Ela não está relacionada à pecuária ou madeireiros, mas ao tráfico de animais.

Um único caçador foi encontrado com partes de 16 onças, duas suçuaranas e uma jaguatirica. Ele mantinha cabeças, crânios e patas em um refrigerador.

Recebeu multa de R$ 460 mil por matar, mutilar e armazenar os animais - além de ser preso devido a uma investigação sobre posse ilegal de armas e crimes ambientais.

Tática

Caçadores usam cães para encurralar onças em árvores e abatê-las a tiros
Os safáris clandestinos são outra modalidade de abate. Segundo o delegado da Polícia Federal Mário Nomoto, quadrilhas promoviam safaris no Pantanal - onde é mais fácil enxergar as onças do que na fechada selva amazônica.

"Caçadores internacionais pagavam grandes montantes de dinheiro para caçar onças por diversão", disse.

O policial afirmou que sucessivas operações da polícia praticamente acabaram com esse tipo de crime, mas a fiscalização continua.

Ele explicou ainda que caçadores que operam no Brasil têm uma tática específica: eles usam um instrumento que reproduz o rugido das onças para atraí-las.

Depois soltam um grupo de cães para rastrear a onça e forçá-la a subir em uma árvore - onde se torna um alvo fácil para disparos de armas de fogo.

Leis

A legislação local é crucial no combate à caça ilegal, segundo autoridades.
Segundo Teresa Peres, na Bolívia, suspeitos estão sendo processados com base em uma lei que prevê de um a seis anos de prisão para esse tipo de crime.

No Brasil, segundo Roberto Cabral, a legislação prevê penas em torno de seis meses a um ano de prisão. Em muitos casos a punição é uma multa e a prisão acaba sendo convertida em penas alternativas.

"Por causa da fragilidade da legislação conseguimos identificar os caçadores, mas muitos continuam na ativa", disse o chefe de fiscalização do Ibama.
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: