Polvo fêmea que estrangulou macho após sexo intriga cientistas

Especialistas estudam comportamento observado recentemente em polvos
"Polvos são animais com hábitos "amorosos" curiosos. Para conseguir se acasalar, o macho precisa se aproximar da fêmea e gentilmente acariciá-la com um dos tentáculos. Lentamente, ele a agarra e insere um tentáculo no corpo de sua parceira, injetando o sêmen.

Da BBC Brasil 

Depois do sexo, o polvo macho não costuma esperar nenhum tipo de reação da fêmea. Mas cientistas em pesquisa na ilha de Fiabacet, na Indonésia, testemunharam um caso que os deixou perplexos.
Após o acasalamento, uma fêmea acariciou com seus tentáculos o macho, lentamente o envolvendo por completo. De repente, ela começou a apertá-lo, expulsando toda a água que tinha em seu corpo, o "sufocando" até a morte.

Canibalismo

O fenômeno do canibalismo "pós-sexo" não é único entre os invertebrados. Mas não há casos de morte por estrangulamento.

As aranhas viúva-negra e o louva-a-deus são exemplos famosos de fêmeas que matam o macho antes ou depois do acasalamento.

Os mosquitos fêmeas da família chironomidae perfuram a cabeça do macho no momento em que ele está injetando seu sêmen. Depois, elas carregam os restos mortais do mosquito macho por vários dias.

Em alguns casos, o macho é uma fonte rica em nutrientes, especialmente após o acasalamento. As aranhas do gênero argiope costumam comer o macho após a segunda inseminação.

Ternura ou violência?

Christine Huffard capturou momento em que polvo fêmea envolve o macho
Mas entre os polvos, o incidente é tão raro que está mudando o conhecimento da Ciência sobre esses animais.

Por anos, os polvos sempre foram vistos como criaturas dóceis. Apesar de serem relativamento violentos ao comer - agarrando suas presas com seus oito tentáculos e as levando até a boca - os polvos não têm comportamento agressivo.

É mais provável que, diante de uma ameaça, eles procurem fugir rapidamente, segundo a bióloga marinha Christine Huffard, do Monterey Bay Aquarium Research Institute, na Califórnia.

Na verdade, os polvos passam a maior parte do tempo tentando ficar "invisíveis" no mundo marinho. "Ser agressivo demais contra outros animais no mar seria prejudicial a essa estratégia, por atrair atenção demais", diz a bióloga.

Em alguns casos, os polvos são mais agressivos - principalmente se estão brigando uns com os outros por comida. Nesses casos, eles se agarram com os tentáculos e ficam se puxando e empurrando. Mas raras são as vezes em que eles tentam estrangular o rival.

Raro?

Esta foto mostra um macho se aproximando da fêmea para acasalamento
Recentemente, Christine Huffard e seus colegas conseguiram observar dois incidentes assim.

O primeiro aconteceu durante um mergulho em Fiabacet. O macho e a fêmea passaram 15 minutos no acasalamento. Ao final, a fêmea passou outros dois minutos tentando agarrá-lo, usando seus tentáculos. Depois de outros dois minutos apertando o corpo do macho, ele finalmente parou de se mexer.

O polvo macho foi então arrastado para a toca marinha da fêmea, em uma barreira de corais, onde os cientistas acreditam que ela o comeu.

Os detalhes do episódio foram publicados na revista científica Molluscan Research. Um outro relato no mesmo artigo fala sobre um encontro semelhante entre dois polvos de espécies diferentes.

A literatura científica também registrou outro episódio, em 2007. Na ocasião, uma fêmea passou dois dias comendo os restos do macho que matou - com quem havia acasalado por 13 vezes.

Os cientistas ainda não sabem dizer o quão comum esse tipo de abordagem é. Até agora acredita-se que é o único episódio de morte por estrangulamento registrado entre animais invertebrados.

A tática de estrangulamento é bastante sofisticada, pois a fêmea consegue impedir que o polvo macho solte tinta na água - que é um dos mecanismos de defesa do polvo. A tinta serve para turvar a água, dificultando a percepção dos predadores. Além disso, a tinta pode conter químicos que provocam irritação.

"O método usado pelo polvo fêmea para capturar e matar seu parceiro - segurando-o com seus vários tentáculos - é novo, mas só porque nenhum outro animal possui as mesmas características do polvo", diz o zoólogo Mark Elgar, da Universidade de Melbourne.

Cientistas tentam entender um lado que não conheciam dos polvos
Para Huffard, o novo fenômeno detectado entre polvos é um tema fértil para pesquisas no futuro.

"Quanto mais nós entrarmos na água para assistir aos animais de longe, mais teremos condições de descobrir porque uma fêmea céfalopode mata o macho após o sexo", diz."
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: