Concurso celebra esplendor da vida silvestre europeia


Esse por do sol deslumbrante na Baía de Dunraven, no País de Gales, venceu o concurso de fotografia Verão Selvagem, da fundação britânica Woodland. "Ter minha foto premiada me fez querer passar ainda mais tempo ao ar livre", diz o fotógrafo Joaquim Pinho.

Fotógrafos amadores enviaram para a fundação imagens da vida selvagem, tiradas durante o verão britânico. Entre as finalistas está essa imagem de um rato do campo debruçado sobre um punhado de amoras, de Brian Robinson.

Outra imagem de um rato selvagem também ficou entre os finalistas. Tirada por Jack Merret, ela mostra o roedor agarrado a um ramo de trigo.

A foto acima, de uma cachoeira no Vale de Glen Chalmadale, na Escócia, também foi finalista do concurso. Ela foi tirada por John Shahabeddin.
Um esquilo vermelho saltado, fotografado por Claire Wright, foi uma das imagens pré-selecionadas pelos juízes da competição. Wright conta que queria uma imagem que refletisse a rapidez e agilidade do anima, mas fazer a foto envolveu uma série de desafios

A imagem de David Hogg mostra um martim-pescador a ponto de engolir um pequeno peixe, na Reserva Natural Parque Gosforth na localidade de Newcastle upon Tyne. "Estávamos sentados, meio escondidos, e um ponto azul me chamou a atenção. Era o martim-pescador que já havíamos tentado fotografar em outras ocasiões", conta Hogg.

Esta imagem incomum de um punhado de sementes foi feita em Eastbourne, na Inglaterra, por David Ford. "A 'macrofotografia' nos permite ver a vida selvagens em seu detalhe, o que nem sempre é possível a olho nu", diz Ford.
Nick Jackson aproveitou um passeio de verão para conseguir a fotografia 'perfeita' no Distrito dos Lagos, na Inglaterra. "Tudo na cena estava perfeito. As nuvens seguiam os contornos da montanha, a pequena casa branca criava um ponto de interesesse e o riacho levava o olhar para o lago prateado, ao fundo."

A foto de uma raposa com um olhar inquisitivo em meio a grama dourada no reservatório de Walthamstow, em Londres, foi tirada por Sylwia e Roman Zok. Eles esperaram que a raposa voltasse para o local - onde costuma parar para um descanso - para fazer a imagem.

Anneka Vink estava de férias com a família na ilha de Mon, na Dinamarca, quando tirou essa foto. "Estava caminhando na praia de cascalho e as focas passaram nadando e me observando. Foi quando fiz a foto", conta Vink.
Da BBC
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: